VMworld 2009 – Opinião rápida e dicas

A VMworld 2009 Europe é o maior evento europeu sobre virtualização e a continuar com este nível dificilmente irá ser superada por qualquer outro fornecedor que queira realizar um evento sobre este tema. A fasquia está muito alta e qualidade da organização está elevadíssima.

Este evento abarca tantos temas, tantas novidades, reúne tantas pessoas, consegue abranger uma vastíssima audiência (marketing, sales, techies, decision-makers) sem desiludir nenhum dos seus visitantes. As novidades foram tantas que nem vale a pena enumerár-las, para isso nada melhor que visitar a sítio da VMware e alguns blogs de referência como Yellow-Bricks (www.yellow-bricks.com) ou o vinternals  (vinternals.com).

Por fim deixo aqui algumas dicas para quem for para o ano ao evento:

  • Para além do título da sessão tentem ler sempre sinopse da mesma antes de decidirem. Assim não vão a contar com uma determinada abordagem ao tema e ficam desiludidos pela talk não corresponder às vossas expectativas;
  • Tenham muito cuidado com as sessões que não forem da VMware. Arriscam a levar uma ensaboadela de marketing do produto ou do fornecedor sem conseguirem tirar tanto “sumo” do tempo despendido;
  • Aproveitem ao máximo os Hand-On Labs para meter a mão na massa e conhecer melhor as soluções apresentadas nas sessões;
  • Caso queiram mesmo ver uma determinada sessão convém estar à porta da sala com pelo menos 10 minutos de antecedência;
  • Perguntem, discutam, interajam com todo o pessoal dos stands e da própria organização. É fantástica a maneira como todos estão lá com disposição de mostrar
  • os seus produtos, de nos ajudar nos nossos problemas e de tentar arranjar solução para os nossos problemas.
  • Durante o evento não vale a pena arriscar outros buffets e deverão jogar pelo seguro e apostar no buffet italiano, sempre tem algumas massas quentes,  pizzas e sandes comestíveis.
  • Tentem arranjar um hotel perto do evento porque facilita muito as deslocações e diminui as dores de cabeça no que diz respeito a trajectos e horários;
  • Fiquem mais um dia em Cannes, porque vale a pena conhecer melhor esta terrinha da Coute de Azour.

 

VMworld 2009 – Day 2

O dia começou com a keynote “The future of virtualization: from the desktop to the datacenter” pelo Stephen Herrod, CTO da VMware, onde foram abordadas algumas novidades que nos esperam num futuro breve, tais como o vShield, imensas novidades do vCenter Server, a visão da VMware da cloud – a vCloud -, as potencialidades dos ThinApps, o novo VMware View e algumas ideias menos imediatas como o MVP (Mobile Virtualization Platform) com uma live demo dessa solução instalada num “telemóvel” Nokia N800 (que permitia rodar na demo 2 sistemas operativos simultaneamente: um Windows CE e um Google Android).

De seguida – mas não antes de atestar umas bolas de berlinde com recheio de compota e café para acordar – foi tempo de escolher entre 10 ‘breakout sessions’ disponíveis, tendo optado por assistir à “VMware VMFS Deep Dive and Best Practices”, que IMO poderia bem se chamar “VMware VMFS Small Dip and Stuff available on the Manuals”, mas provavelmente as minhas expectativas estavam altas demais para este tema. Mais uma ida para reabastecer e voltei ao ataque com a sessão ‘VMware vCenter Data Recovery: Technical Overview’ que focou esta evolução do VCB e que actualmente ainda se encontra em private beta, as suas funcionalidades espectáveis, restrições e requisitos. Para meu agrado tivemos a informação que esta backup and recovery appliance é baseada em Centos.
Durante o almoço buffet (o aspecto menos positivo do evento) pudemos passear com mais calma no piso Solution Exchange onde se encontravam todos os stands dos patrocinadores e participantes, o Genius Bar (onde podíamos falar directamente com developers da VMware) e os Hand-On Labs (onde podíamos testar alguns dos produtos novos). Foi com agradada surpresa que me deparei com uma enorme quantidade empresas que estavam a apresentar os seus produtos e soluções e o entusiasmo que rodeava todas estes stands.

“The future of Linux is software Appliances” pelo Nat Friedman, Chief Technology and Strategy Officer for Linux da Novell, que começou por apresentar as 3 diferentes versões do seu Linux (OpenSuse, SLED, SLES = marketing talk) e de uma forma muito esclarecedora a sua visão de como, para a Novell, o futuro do Linux passará por “caixas” de appliances onde estarão embrulhadas o Sistema Operativo, Aplicação e Configurações. Ficamos também a conhecer o KIWI (command-line tool para criar appliances) e uma live demonstration do Suse Studio (web-based appliance creator – em fase pré-release) que me pareceu interessante para alguns ISVs mas não o único futuro do Linux mas que me lembrou um Yum Autoinstallation em esteróides.

Como tinha ouvido falar bem do AppSpeed no dia anterior fui apressar-me para assistir ao “Latency-based Performance Analysis
Before and After Appspeed” na expectativa saber mais detalhes sobre esta novidade. O que nos foi apresentado foi uma ferramenta de performance que monitoriza o tráfego no vSwitch (“sniffa” os pacotes que por lá passam), efectua a sua análise ao nível aplicacional e que será uma ajuda preciosíssima para identificar e resolver mais rapidamente os problemas de performance que actualmente requerem um troubleshooting bastante mais complexo e manual. Este é mais uma ferramenta a ter em consideração quando sair a verão final que está prevista lá mais para o final do ano.
Uma informação estatística interessante foi dada pelo Richard McDougall, da VMware, que cerca de 90% dos problemas de performance que ele lhe passaram pelas mãos tiveram, de uma forma ou de outra, sempre relacionados com a performance de storage.

Para finalizar tive a maior desilusão do dia: “New Technologies Driving Cloud Based Services” foi somente uma marketing session conjunta da Vmware, Cisco, Intel e EMC onde estes publicitaram a sua visão da Cloud e como eles a visionam no seu futuro. Pelo menos a visão da Amazon ou outro Cloud provider era muito bem vinda de como actualmente se faz negócio.

A noite acabou na festa VMworld Europe 2009 Party (aka On Cloud Nine) com muita animação, comida e bebidas à disposição e muito boa disposição entre os Portugueses.

VMworld 2009 – Day 1

Infelizmente para mim, o dia 1 do VMworld foi de viagem, tendo somente chegado a Cannes ao final da tarde de terça-feira o que não me permitiu sequer fazer a inscrição no local o evento. Mas o dia não foi completamente perdido, uma vez que logo que cheguei ao hotel fui apresentado por um colega, que já lá estava desde o dia anterior, a uma parte da comitiva de Portugueses (que segundo informações não oficiais devem ter rondado os 20 a 30 pessoas) e todos rumamos para um evento patrocinado pela VMware que se intitulava “VMware South Europe VMworld Party” no beach bar “La Mandala”.
Aumentado o grupo de Portugueses para 12 a fome apertou e fomos todos jantar ao “El Porto”, onde deu para perceber que este primeiro dia oficial do evento foi muito proveitoso, tendo sido realçado por alguns dos presentes o interesse na Welcome and Opening keynote do Paul Maritz (CEO da Vmware), produtos como o AppSpeed, o novo vCenter Server, o novo VDI/View e muitas novidades que a próxima versão vSphere apresentará.
Em termos de números falam-se em mais de 4.500 visitantes e mais de 100 patrocinadores/expositores.

Vmworld 2009 – Day 0

Vmworld Europe 2009

O maior evento sobre virtualização na Europa realiza-se em Cannes entre os dias 24 a 26 (dia 23 é o Partners Day) onde se espera uma vasta apresentação de produtos e tecnologia, cerca de 150 talks técnicas, laboratórios hands-on, e muita, muita virtualização.

Sou um dos sortudos que vai ter a oportunidade de ir a este evento (apesar de só poder aproveitar os dias 25 e 26) e espero ir escrevendo o desenrolar do evento via twitter (assim haja wifi grátis e bateria no E71) ou após o meu regresso aqui no blog.

Algumas das talks que pretendo assistir:

  • vCenter Server for Linux
  • VMware vCenter Data Recovery: Technical Overview
  • The Future of Linux is Software Appliances
  • VMware ESX and Future Architectural Directions
  • What’s new with View 3
  • Virtualization on mobile phones? Why do I need that?
  • Real high-availability for virtual IT
  • Virtualized Oracle Database Server Performance and Best Practices
  • VMWare Infrastructure Networking New Features

Pelo que consegui averiguar, hoje no Partner Day, já se comunicaram/mostraram algumas novidades:

  • VMware dividiu o seu portefólio em 3 grupos de tecnologia: VDC-OS (virtual datacenter OS), vCloud (Cloud Computing) and vDesktop (todas as iniciativas de virtual Desktop);
  • O vSphere (ESX Server 4.0) foi apresentado oficialmente pela primeira vez;
  • Apresentada a VMware Partner University;
  • Apresentado o novo EMEA General Manager da VMware, Maurizio Carli.

Alguns links de interesse para quem quer seguir o evento:

VCP – VMware Certified Professional

Depois de em Fevereiro ter frequentado o curso ‘VMware Infrastructure 3: Install and Configure V3.5’, a semana fui fazer o exame VCP-310 para me tornar um VCP – VMware Certified Professional (que passei com 87).

O exame é composto por 75 perguntas de escolha múltipla do estilo Pearson VUE, tem a duração de 2 horas, o score mínimo para passar é de 70% e para nos candidatarmos ao exame temos de ter frequentado uma formação da VMware. Desde de Março que o exame abrange as versões VMware ESX Server 3.5/VMware VirtualCenter 2.5.

Deixo aqui alguns links de informação útil para estudar para esta certificação:

Tudo isto na ‘VMware Infrastructure 3 Documentation‘.

BTW, é essencial meter as “mãos na massa” e montar um laboratório para instalar, configurar e brincar com todos os produtos e potencialidades do ESX, bem como tirar dúvidas em ambiente real  antes de tentar o exame (a Vmware tem um trial de 60 dias, full works, que funciona na perfeição para estas situações). É bastante produtivo também ver o Mock Exam e fazer bastantes “testkings”.
Para além deste VCP a VMware tem recentemten disponivel a certificação VCDX – VMware Certified Design Expert (+ info).

VMware Infrastructure 3: Install and Configure V3.5

Primeiro a introdução: Na minha opinião, hoje, e pelo menos durante mais uns anitos, a VMware é a empresa que apresenta as mais sólidas, robustas e completas soluções de virtualização do mercado.
Poderíamos falar nos seus concorrentes como a Xen, Microsoft Virtual Server, Virtuozzo ou outros, mas virtualização “bare metal” como a VMware faz com o seu VMware Infrastructure 3 não tem, ainda, um corrente à altura.
Podemos também argumentar que os seus produtos não são conhecidos por serem baratos (o que não o são), mas acho que a partir de uma determinada dimensão da solução a implementar consegue-se um TCO bastante interessante. Agora adicionando tecnologias como a VMotion (migração live e sem paragens entre servidores físicos), Consolidated Backup e DRS temos uma panóplia de mais valias e adições à nossa tradicional infra-estrutura tecnológica presente na maioria dos Data Centers que resultarão na felicidade e paz de espírito para muitos administradores de sistemas (com menos “ferro” para gerir, com a garantia de poder intervir no hardware sem provocar downtimes nos serviços, a possibilidade de adicionar memória e CPU online e on-demand, etc) e para o negócio em si (menos e menores downtimes, possibilidade de reduzir o tempo de recuperação em caso de desastre, etc).

Isto tudo para vos dizer que estou esta semana a frequentar o curso ‘VMware Infrastructure 3: Install and Configure V3.5’ que se realiza entre os dias de 12 e 15. O curso está a ser ministrado pela Distrilogie em Lisboa e o instrutor é o Gonçalo Rosa da V2S.

O curso, como o licenciamento VMware, não é barato – cerca de 2.000€ + IVA por 4 dias de formação – mas certamente será um bom investimento tanto para mim como para a empresa onde trabalho porque os projectos e serviços de consolidação, Disaster Recover e virtualização estão a acontecer em força e nestas áreas somente os mais bem preparados sobrevivem.