Linux as a Web Server (Apache) – Dia 3

Hoje na formação demos os capítulos “10. General Purpose Modules” e “11. Performance, Planning and the Future” e o formador ainda deu um capítulo não programado sobre o protocolo HTTP.
No capítulo “General Purpose Module” focamos alguns módulos mais usuais entre eles o mod_alias com as suas directivas como AliasMatch e Redirect e o mod_autoindes com as directivas como IndexIgnore e SupressLastModified, entre outras.
No capitulo “ Performance, Planning and the Future” foram abordados temas como testes de performance, as influências da RAM, CPU, arquitectura de disco e largura de banda na performance do Apache e foi focado um pouco o futuro do Apache.
Como ainda havia algum tempo disponível o formador decidiu abordar o protocolo HTTP, com uma breve apresentação da história, diferenças entre o HTTP 1.0 e o 1.1, ilustrações e casos práticos das comunicações browser-WebServer e conceitos como caching.

Como nota final de avaliação global do curso posso classificar-lo como razoável. Para alguém que tenha já alguma noções das características, funcionalidades e “internals” do Apache este curso pouco ajudará, a não ser um ou outra directiva ou módulo que eventualmente não se conheça e relembrar algumas opções pouco usadas. Para principiantes e pessoas que não tem experiência com o Apache este é o curso indicado.

URLs úteis sobre Apache:

Coordenadas GPS

Porque é que os Hotéis as empresas de grande dimensões não tem nos sites institucionais, nos contactos juntamente com a morada e telefones de contacto as coordenadas GPS das suas instalações? Cada vez mais os carros vem com sistemas GPS, os telemóveis, PDAs e os portáteis permitem usufruir das vantagens do GPS da através de programas como o Route 66, ViaMichelin ou Tomtom.
Pelo menos para mim se nos site dos hoteis, restaurantes e sedes das empresas tivessem as coordenadas facilitavamente a vida quando vou, por exemplo, a formação ou a algum cliente novo ou até quando tento encontrar onde é que fica um restaurante ou uma loja.

Deixo aqui as coordenadas no Hotel e da IBM Business Continuity and Recovery Services para quem precisar:

    Hotel Amazónia Jamor
    Avenida Tomás Ribeiro, 129 – Linda-a-Pastora
    2790-466 Queijas
    Coordenadas GPS:

      38º 42′ 863” N
      9º 15′ 505” W

Linux as a Web Server (Apache) – Dia 2

Hoje demos “6. Dynamic Content and Languages”, “7. Databases and Apache”, “8. Security Modules” e “9. Secure Sockets Layer” deixando para o último dia somente o capítulo 10, “General Purpose Modules”.
A abordagem da matéria é superficial mas deu para aprender algumas coisas novas e reavivar algumas opções que pouco se usam como a autenticação, instalação de php, etc..
Como não temos acesso à Net nos Pcs do curso só tenho tido oportunidade de ver os e-mails e ler as notícias quando chego ao Hotel e ligo-me via Kanguru mas infelizmente a cobertura ainda não é UMTS.

Jantar com o Rawdata daqui a pouco… mais um jantar tecnológico “para a engorda” 🙂

Linux as a Web Server (Apache) – Dia 1

O primeiro dia da formação do Linux e-business with Apache deixou um pouco a desejar: O formador chegou 15 minutos atrasado; Os PCs tinham Fedora Core 2 e já vinham com o Apache2 instalado, quando o manual faz referência começa com a instalação via source e todos os exemplos estão a contar que se tenha efectuado este tipo de instalação; O formador em vez de dar-nos o Ok para desinstalar-mos o RPM do Apache2 e nos facultar o tar.gz do source achou que não havia qualquer necessidade para tal porque segundo ele “ia tudo dar ao mesmo”, não tendo em atenção ao esforço acrescido necessário à resolução dos exercícios e à perda de qualidade da própria formação que essa alteração acarretou; A postura do formador não é muito do meu gosto, lê ou traduz em voz alta o manual e nem sequer explica o resultado dos exercícios. Numa coisa há que dar crédito, o homem não para de nos perguntar se percebemos e se querem que explique melhor; As instalações são razoáveis mas os PCs são uns velhitos PIII a 600Mhz; Somos 3 formandos numa sala sem acesso à Net; As escolhas para o almoço nas redondezas limitam-se a uma “tasca” ou o restaurante da Makro e um Multibanco naquela zona parece-me ser algo dificil de encontrar.

Mas o dia não foi todo negativo, a matéria é interessante e está bem estruturada. Hoje demos os capitulos “1. Web Service Comcepts”, “2. Installing Apache”, “3. Apache Configuration Files”, “4. Virtual Hosting” e começamos o “5. Access Control” e se tudo correr bem amanha da-mos alguns capítulos mais interessantes como “Security Modules” e “Secure Sockets Layer”. No final do dia ainda tive a oportunidade de fazer um pouco de exercício aproveitando as instalações do hotel e prevejo ver “War of the Worlds” no PC.

A verdadeira mobilidade… ou ainda não.

Desde à uns tempos que uso o Kanguru nas minhas semanas de Suporte/Prevenção 24×7 e tem funcionado bastante bem em casa, obtendo sempre ligação UMTS. Hoje tentei em casa dos meus pais mas na sala só obtive ligação GSM/GPRS e no hall já conseguia UMTS.
No final da tarde, no Alfa-Pendular a caminho de Lisboa tentei testar a verdadeira mobilidade de acesso à Internet tentando ligar o Kanguru em andamento. Não estava com grandes expectativas porque em determinadas zonas o sinal é péssimo e até as chamadas vão abaixo, mas as minhas tentativas com o Kanguru foram bem mais frustrantes. Na primeira ligação, a quando do inicio da viagem no Porto, aquilo até estava a funcionar bem (mas só obtive ligação GPRS) mas passados uns 15 minutos a ligação foi abaixo e nunca mais conseguir obter uma ligação, ficando-me sempre no “Em iniciação, aguarde 1 minuto”. Tentarei na quarta-feira, no regresso a casa, uma nova investida e depois divulgarei os resultados.
Fico à espera que a Optimus expanda a rede UMTS rapidamente porque nota-se a diferença entre as duas tecnologias e que cubra todo o percurso do trajecto Porto-Lisboa com uma boa cobertura que permita pelo menos fazer chamadas sem soluços durante a viagem.

Para aqueles que se estão a interrogar sobre a razão da minha deslocação a Lisboa, posso-vos informar que de segunda a quarta estarei em formação, mais precisamente o ‘Linux e-business with Apache‘ ministrado na IBM.

Fico instalado no mesmo hotel do da última vez que cá estive, o Amazónia Jamor Hotel, e a formação será ministrada no IBM BC&RS (Business Continuity and Recovery) em Alfragide.

A incompetência dos Anti-virus.

Estes últimos dias tem sido volumosos no que conta a tráfego de e-mails infectados devido a uma nova variente do Sober (1 | 2 ) e do Mytob ( Worm_Mytob.MX).
O alastramento destes dois vírus que pouco tem de novidade (apesar de o Sober “CME-681” usar um pouco de engenharia social, com um e-mail a apelar ao bom cidadão em ajudar o FBI e a CIA) e a já muito falada ineficácia dos Anti-virus em detectar o Sony’s Rootkit levam-me, cada vez mais, a concluir que a indústria de anti-virus age muito pouco proactivamente estando sempre um passo (ou até mais) a traz dos problemas.

Tenho ainda uma teoria pessoal e não fundamentada em dados concretos sobre esta industria: Como o ganha pão da industria de Anti-Virus é, para além da venda inicial do software, o pagamento das constantes actualizações – o chamado suporte durante 1 ou mais anos onde a empresa através duma “pequena” quantia nos dá o privilégio de manter os nossos antivírus actualizados e com as últimos remédios para os vírus – ao desenvolver uma tecnologia mais proactiva do que reactiva estariam a perder uma grande percentagem de incoming que advêm dos patos que se vêm obrigados a pagar anualmente entre 20 a 50 € para beneficiar das actualizações ao anti-virus.
Para alem dessa falta de interesse em investir na substituição da actual tecnologia baseada em “signature files” para identificar os virus por uma tecnologia mais proactiva, todas as empresas de Anti-Virus, segundo a minha teoria, formam um “loby anti-inovação tecnológica” que resulte em perdas de lucros a curto prazo.

As únicas vantagens da evolução e crescimento da diversidade dos vírus, worms e spyware é que mais cedo ou mais tarde as companhias de Anti-virus serão obrigadas a pelo menos deverão integrar à sua solução de antivírus um antispyware e firewall, oferecendo um pouco mais aos consumidores sem grandes custos suplementares.

Ainda bem que nem todas as industrias funcionam como a dos Anti-Virus.

[ update: Sony rootkit: A black eye for security vendors? ]

ITIL – Service Management Essentials

No inicio desta semana eu e mais um boa dúzia de colegas estivemos em formação: “Service Management Essentials (ITIL)” ministrada pela Fox IT.
Esta formação teve como objectivo aumentar o nosso nível de conhecimento sobre as boas práticas de gestão de IT e uma vez que os presentes e futuros clientes estão cada vez mais a par destas boas práticas e nós, enquanto empregados de uma empresa de serviços de IT, temos de estar no mínimo ao nível deles em termos desse conhecimento, seguindo, adaptando e suportando-nos destas boas práticas dentro da empresa e em projectos e serviços prestados aos clientes.

Depois de 2 dias de formação extenuantes (8 horas por dia sempre a debitar matéria, e tudo em inglês) na quarta-feira de manha lá fizemos o exame para o “Foundation Certificate in IT Service Management”, exame à inglesa de escolhas múltiplas onde será necessário mais do que 65% de respostas certas para passar e esperar umas 3 semanas para saber os resultados.

Apesar do ritmo acelerado do curso e da existência de algumas palavras não muito usuais em inglês (pelo menos no dia-a-dia comum) como “liaison”, “underpinned” ou “resilience” a matéria focada durante estes dois dias era bastante interessante para qualquer “IT complient personnel” e aconselho a todas as pessoas que trabalhem em IT em pelo menos dar uma vista de olhos nos conceitos e processos sugeridos pelo ITIL.

Deixo aqui um excerto da definição de ITIL para abrir o apetite:

ITIL is the only comprehensive framework for best practice IT Service Management in the world, and it is used by thousands of organizations around the world. , a whole ITIL philosophy has grown up around the guidance contained within the ITIL books.

ITIL consists of a series of inter-related books which provide advice and guidance on the delivery and support of quality IT services. ITIL has been developed in recognition of organizations’ growing dependency on IT and draws upon industry best practices for IT Service.

ITIL has been developed and is maintained to assist and enable organizations to seek to continually improve the IT services that are being provided, fundamentally as these services are increasingly business critical. The IT service must be delivered in an efficient and effective manner and must be aligned with corporate aims and business needs.

The ITIL processes and guidance provides a robust and thorough foundation for the delivery of cost-effective, value-adding, efficient and reliable IT services.
Additionally, there are a wide range of products and services available to support ITIL and to assist organizations to adopt and adapt ITIL to their particular environment and culture. As ITIL is non-proprietary and public domain, organizations can rapidly get a thorough understanding of ITIL and begin to implement the processes across the IT service provider(s).

Deixo também alguns links como starting point:

Contents of ITIL - www.itil.org

O poder da Powerball

Durante o jantar de ontem o Daniel trouxe-me a Powerball que lhe comprei por 35€. Ele mandou vir 5 Poweballs para não pagar portes e comprei-lhe uma Power Ball Regular com indicador velocidade.
Só tenho uma palavra para descrever o novo brinquedo: “FABULÁSTICO!!”

Devo confessar que vi os sites sobre as bolinhas (www.powerballs.com e www.powerball-europe.com) e achei alguma piada aquilo mas nunca imaginei que fossem tão viciantes e tão eficazes a exercitar os músculos do pulso e mão. A curva de aprendizagem da utilização da bolinha e de bater consecutivos recordes depende de pessoa para pessoa e eu tive algumas dificuldades no início em manter a rotação e nunca consegui mais do que uns míseros 6.900 RPM, enquanto um colega de trabalho conseguiu, à segunda vez que pegou nela, uns consideráveis 9.600 RPM. O recorde mundial é actualmente de um tal de Akis Kritsinelis com 16081 RPM.

Já me disseram inclusive que a PoweBall chega a ser recomendada por ortopedistas para pessoas com Síndrome do Túnel de Carpal, que tantos informáticos aflige.

Façam já a vossa compra pois é uma excelente prenda de Natal:
PowerBall Europe
Loja21

PowerBall

[update: Parece que a powerballs.com tem um representante em Portugal, por isso aconselho a compra no site http://www.powerballs.com/pt/. O preço é bem em conta e o envio é no dia seguinte à encomenda. E o recorde mundial já vai nos 19689 RPM podendo ver o video do Akis Kritsinelis aqui. ]

Xbox 360

A menos de uma semana do lançamento da Xbox 360 (à venda já no próximo dia 22) as notícias sobre esta nova consola começam a fervilhar na imprensa.
O pessoal da AnandTech desmontou a consola e mostrou ao mundo as entranhas deste novo brinquedo. Podemos ler e ver no artigo as soluções que a Microsoft arranjou para alojar 1 disco de 20Gb (um 5400RPM da Samsung), 1 processador PowerPC e uma placa gráfica desenhada pela ATI.

Pelo pouco que li existirão duas versões da Xbox 360, a Xbox 360 Core System e a Xbox 360 com preços de US $299 e US $399 respectivamente. A diferença entre as duas é que a Xbox 360 tem um comando wireless, disco rígido, auscultadores, etc..

Ficam aqui alguns URLs:

Com boatos a lançarem como data prevista para a comercialização da PS3 o ano de 2007, a Xbox 360 poderá ter uma boa janela de oportunidade e ganhar outro peso no mercado das consolas. Pessoalmente vou esperar pelo lançamento da PS3, e possivelmente até à 1ª ou 2ª redução de preços das consolas, para comparar as duas consolas e decidir qual irei comprar.

Xbox 360

Chamadas de borla para a rede fixa

No Emblogrio descobri que continuamos a ter alternativas VOIP para efectuar chamadas para a rede fixa a custo zero.
Testei o cliente Windows do VoipCheap e aquilo parece um clone do VoipBuster mas com a grande diferença de ainda permitir chamadas à borla para fixos de paises como França, Irlanda, Holanda, Portugal e Inglaterra.
Também temos o SIPdiscount que não tem qualquer cliente para efectuar-mos o download, temos que ter nós um soft-phone (o X-Lite, por exemplo) ou um VOIPgateway (vide Wishlist) ou outra solução como o Asterisk ou outra VOIP PBX. O SIPdiscount permite efectuar chamadas a custo zero para fixos de mais países como Áustria,
Bélgica, Canada, Dinamarca, Finlândia, Noruega, Portugal, Espanha, Suiça, etc..

É aproveitar enquanto dura.